Close
Quero conhecer
Quero conhecer
Redação Bankly 09/06/2022 12:00:00 5 min leitura

Real digital: saiba o que esperar da moeda digital brasileira

Real digital:

A adoção de uma moeda digital pode trazer uma nova gama de possibilidades para os participantes do sistema financeiro, que vai muito além das instituições tradicionais. Este é o caso do real digital, CDBC (Central Bankly Digital Currency, na sigla em inglês) que está sendo desenvolvida pelo Banco Central do Brasil e tem como previsão para o lançamento do projeto piloto o fim do próximo semestre.

Além de reforçar a tendência de digitalização do mercado financeiro, as moedas digitais têm rastreabilidade por meio do uso de tecnologia blockchain – o que traz mais transparência para o caminho do dinheiro em transações internacionais, por exemplo –, além de garantir mais liberdade financeira aos usuários, rapidez e segurança nas transações.

Países como EUA, China, Índia, Rússia, Reino Unido e Venezuela discutem a criação de suas CBDCs, mas no momento a China é o país com o desenvolvimento mais avançado, com o iuan digital. Por lá, mais de 20 milhões de cidadãos já possuem carteiras digitais emitidas pelo Banco Popular da China e podem realizar transações com a moeda, que utiliza uma rede blockchain gerenciada pelo próprio governo. Apenas no segundo semestre de 2021, a moeda foi utilizada em transações que somam mais de U$8 bilhões.

Na prática, a moeda digital brasileira não deve necessariamente impactar hábitos de consumo, mas com certeza a forma de pagamento, já que trará novas possibilidades dos usuários fazerem compras online, transferências entre contas digitais, pagarem contas de serviços como streamings, por exemplo.

Assim como outras inovações do Bacen, como o PIX, o Real Digital tem como objetivo facilitar a vida da população e trazer eficiência operacional para todo o ecossistema financeiro e um dos principais diferenciais é a segurança.

 

Mas afinal, o real digital é seguro ?

A moeda digital brasileira está sendo criada com tecnologia blockchain, que garante a rastreabilidade de cada unidade da moeda e isso a torna muito mais segura quando falamos em crimes financeiros e fiscais. Com o dinheiro em espécie, esse rastreamento é muito mais difícil, já que o papel-moeda pode ir passando de mão em mão e pode ser transferido com facilidade até para outros países, perdendo assim sua rastreabilidade e podendo ser utilizado para transações fraudulentas ou criminosas.

 

Quais são os próximos passos para o lançamento do real digital ?

Atualmente, a moeda está em fase de testes do programa do Banco Central e da Federação Nacional dos Servidores do BC, que é focada em finanças descentralizadas. Os nove projetos selecionados incluem operações de entrega e pagamentos imediatos (Delivery versus Payment, DvP), além de troca de pagamentos imediatos (Payment versus Payment, PvP). De acordo com o cronograma do BC, estes testes devem acontecer até 29 de julho. Porém, após o fim desta fase, ainda não teremos uma moeda digital brasileira, pois o objetivo é definir qual tecnologia será utilizada. Este período de testes é essencial para entender a viabilidade das aplicações dos projetos, dificuldades, além mostrar se haverá necessidade de realizar alterações no marco regulatório.

No Bankly, temos acompanhado todas as discussões do Banco Central a respeito do tema, já que a inovação faz parte do dia a dia do nosso negócio. Por isso, estamos atentos e animados com as possibilidades de produtos que podem ser geradas a partir do lançamento do real digital.

Artigos relacionados

12/01/2022 11:00:00 7 min leitura

Aumento na procura por contas digitais: como aproveitar?

As fintechs tem revolucionado o mercado com suas ofertas de produtos inovadores para facilitar a vida das empresas e usuários, além de alavancar a democratização do mercado financeiro. O avanço das tecnologias modificou a oferta de serviços financeiros aos negócios e, consequentemente, ao cliente final.
Iniciar Leitura
02/02/2023 08:43:08 3 min leitura

Como criar o seu próprio banco digital sem perder o time to market

Desde meados de 2016, quando o Banco Central regulamentou a abertura e encerramento de contas nos bancos digitais, este modelo de negócio passou por um boom. Tanto que atualmente, é difícil conhecer alguém que não utiliza pelo menos um dos serviços dos bancos digitais ou até mesmo migrou dos bancos tradicionais para o novo modelo.
Iniciar Leitura
28/10/2021 09:00:00 3 min leitura

O cenário das fintechs na América Latina

América Latina: o novo berço das fintechs e do Banking as a Service? A América Latina é uma das regiões mais férteis para as Fintechs e suas inovações. Enquanto as instituições tradicionais se movem cada vez mais para o digital, oferecendo novos produtos baseados em tecnologia, apenas 51% dos adultos latino-americanos são proprietários de contas bancárias, segundo o último Global Findex do Banco Mundial. Os números variam de acordo com a região: no Brasil, segundo o relatório, 70% dos adultos possuem uma conta bancária, já no México esse número baixa para 37%.
Iniciar Leitura